INSTITUTO DE PESQUISA DO “SER”

Após anos de investigação instalado em minha sala de estudos, contando com os mais avançados recursos tecnológicos que a informática oferece, conectado “on line” a todo o conteúdo estocado nas bibliotecas públicas e nos institutos de pesquisas avançadas do mundo todo, não encontrei nenhuma publicação idônea que confirme a arché milesiana (Unidade de matéria da qual tudo deriva, Tales de Mileto – 624 – 545 a. C.). Assim, concluí que Einstein estava certo quando afirmou que: (Toda a nossa ciência comparada com a realidade é primitiva e infantil, no entanto, é a coisa mais preciosa que temos). Infelizmente, no meio acadêmico, ainda prevalece a retrógrada doutrina do relativismo científico que estabelece:

Nenhum conhecimento é absoluto e nenhuma certeza é definitiva

Eu preferi não acatar tal doutrinação, prontamente direcionei a minha pesquisa para a verdadeira fonte de conhecimento, a fonte da intuição cósmica (EINSTEIN O ENIGMA DO UNIVERSO – 4ª edição – 1984 – Aditora Alvorada) que se encontra no âmago de cada ser humano.

Minha pesquisa foi exitosa, meu objetivo foi alcançado e o “Ser absoluto” foi revelado.

O “Ser” revelado representa o conhecimento da arché, gerada pelo princípio da autogênese á partir do elemento primordial denominado espaço-tempo, confirmada cabalmente pela equação seguinte:

E=MC³C²C²

(Energia [E] = Matéria [M] multiplicada pela Constante geométrica universal [C³], multiplicado pela Constante magnética universal [C²], multiplicado pela Constante gravitacional universal [C²]).

A revelação do “Ser” e seus atributos, se tornou possível graças a adoção do ritmo ternário democritiano, embasado na dinâmica da tese, da antítese, de onde emerge a síntese. Com isso, também foi possível elaborar o MAPA CONCEITUAL DA AUTOGÊNESE DO UNIVERSO.

O Mapa demonstra com clareza solar, para todos os observadores, e principalmente, para os docentes das elites da ciência, da política e da religião, que grande parte das premissas da física da matéria, devem ser reescritas, respeitando novos paradigmas.

A compeensão da dinâmica do “Ser” remete ao entendimento da “verdade absoluta“. A “verdade absoluta” elimina os falsos paradigmas, inaugura a nova ciência, e dá cabo à doutrina do relativismo científico.

Assim, finda a era do homo sapiens-sapiens (O homem que sabe que nada sabe) e iniciasse a era do homo ethicus (O homem que sabe o quanto quer saber).

A identificação do “Ser” absoluto expõe o grande equívoco que representa a concepção do átomo divisível bohreano. Bohr confundiu o verdadeiro átomo indivisível com moléculas divisíveis, ou seja, confundiu a massa com a matéria e levou a comunidade científica para o limbo do verdadeiro conhecimento. Até hoje a comunidade científica permanece na periferia da verdade.

A dinâmica do espaço-tempo, a dinâmica da perpetuidade da matéria, a dinâmica da transitoriedade da massa, a dinâmica do magnetismo e da gravidade foi, exaustivamente refletida, comprovada e entendida em essência.

Assim, com muita prudência e sensatez, seguindo o ritmo ternário democritiano e a dialética hegeliana que revela a grande lei do mundo, é possível demonstrar a sequência lógica coerente e gradativa dos fenômenos envolvidos na manifestação da matéria (E=MC³C²C²), da massa (E=mc²), e do movimento (E=h.f). Com isso, registra-se os três elementos básicos responsáveis pela formação do Universo.

Para nossa surpresa, nem o criacionismo, nem o evolucionismo, nem o design inteligente se sustentam á luz da verdade absoluta que emerge do “Ser”.

Somente com a compreensão da “autogênese” (Geração independente de forças ou agentes externos) do Elã vital bergsoniano (Impulso original da criação de onde provém a vida) e da religiosidade cósmica einsteiniana (Religiosidade sem pertencer a nenhuma religião) será possível ultrapassar a pseudociência que persiste nas elites da docência universitaria, e por extensão, na humanidade como um todo.

O dever dos docentes não deve ser outro, senão, o de iluminar o caminho do discente para acabar com o obscurantismo científico, político e religioso, responsável por manter a humanidade em total dormência cultural.

A compreensão da dinâmica do Universo, formado apenas de matéria, massa e movimento, representa o único caminho que leva ao conhecimento da grande unificação natural que existe entre a ciência (pensar), a política (agir), a religião (vivenciar).

O INSTITUTO DE PESQUISA DO “SER” elaborou o MAPA CONCEITUAL DA AUTOGÊNESE DO UNIVERSO, peça fundamental para explicar, de forma cabal, toda a dinâmica geradora do Universo, desde a primeira tese, espaço-tempo, até a última síntese, a religiosidade.

Com isso, temos o embasamento científico suficiente para responder às perguntas mais elementares como, por exemplo: De onde viemos? Do que somos feitos? Qual é o nosso propósito?  Para onde vamos?

Devemos lembrar que a resposta cabal ás perguntas acima, está detalhada em nosso MAPA CONCEITUAL DA AUTOGÊNESE DO UNIVERSO que, também detalha o caminho que leva ao perfeito entendimento de todos os mistérios envolvidos na formação do Universo, em sua plenitude.

Capaed

Valério Fornari.

valeriofornari@gmail.com

Um comentário em “INSTITUTO DE PESQUISA DO “SER”

  1. OLÁ BOM DIA, FOI UM PRAZER MUITO GRANDE TER ENCONTRADO O SENHOR E TERMOS CONVERSADO SOBRE ESSES ASSUNTOS. COM CERTEZA FOI DE MUITO APRENDIZADO E AGORA ESTOU LENDO SUAS PUBLICAÇÕES. GOSTO MUITO DESSES ASSUNTOS E VAMOS NOS COMUNICAR JA NUM FUTURO PRÓXIMO. TENHA UM BOM DIA. ABRAÇO. MIGUEL BARATIERI.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.